11 de jan de 2012

À DERIVA


Jogar-se ao mar
qual uma fragata.
Roubar-te um beijo.
- Ao mar... Amar-te.

Eu, mar...
Arremessando-me às pedras
dissolvendo-me em fugas
ardendo-me de amor...

Ao mar
o amor que em mim navega.
A ti, eu.
Frágil barco a deriva...
Procurando o cais do teu corpo.

Um comentário: