21 de ago de 2012

Amara


Amara amava Hamilton.
Hamilton amava o mar.
E no desvario do amar
amara o marinheiro
como quem doa-se ao mar.
Mas amor só de uma via
se afoga no amar.
Amara em maremoto
imergiu fundo no mar,
para esquecer do marujo
para não mais marejar.
Hamilton vive feliz
navegando em sua nau,
Amara vive de encantos
nas sombras do abissal.

José BENEdito de BRITO