27 de jun de 2012

NÓS DO TEMPO


Por que tanto negas teu sorriso?
Não vês que as horas voam!
E cada par de horas que se esbroa,
um par de horas a menos,
para verter nossa alegria.
Por que, perdendo nós, um dia, a cada dia,
inda assim, fenece teu humor,
levando consigo, minhas doces fantasias?
Não vês que o tempo nosso é um sopro, amor,
e não comporta bis!
Se haveremos de morrer, qual flor,
em tão breve tempo, que a vida propicia,
que ao menos vivamos felizes.

José BENEdito de BRITO