4 de dez de 2010

Navegar

Jogar-se ao mar,
mergulhar no abissal,
ancorar no teu peito.

Navegar...

a procura do cais
dos teus braços.
Eu, barco à deriva,

navego...

sem bússola
e cartas de marear,
por ti, eu, nau perdida.

2 de dez de 2010

Varadouro

Lugar onde os escombros
Vagueiam pelas ruas
E os casarões se mijam
De bêbedos e mendigos
Lugar onde o sol se deita
E se abraça com o rio
E com o orvalho se espelha
D água para o amanhecer
Varadouro histórico de abandonos
Onde ainda pousa verde
Uma esperança no entulho
Das retinas dos meus olhos