29 de ago de 2011

Casa da Pólvora


Lugar onde a tarde
Verte-se de silêncio
E os ventos dormem
No colo da gente

No fenecer de suas tardes
Tenho as ilusões do poente

A linha do seu horizonte
São palavras indizíveis
Que os ventos escondem
Pra rociar minh´alma




                José Benedito de Brito

Nenhum comentário:

Postar um comentário